Revista Monolito SKR | Atlantis


Atlantis (1992/1995), São Paulo

Em frente a sede da SKR, o empreendimento Atlantis desenvolvido pelos arquitetos Isay Weinfeld e Kogan foi a inauguração do portfório da SKR destinado aos espaços de trabalho. Com localização a duas quadras da avenida Paulista, em São Paulo, este edifício possui 12 pavimentos e escritórios de 200 metros quadrados por andar. Trata-se do primeiro prédio criado por esta dupla de arquitetos e seu desenho caracteriza-se pela resposta a duas escalas distintas através da textura dos revestimentos.

A primeira graduação é a escala do usuário que se manifesta nas áreas comuns, principalmente na entrada. O traçado definiu uma praça de acesso sob o corpo frontal do prédio, que interage com o pedestre. Diluindo a fronteira entre o espaço público e privado, a ideia original dialogava tanto com quem entrava no prédio quanto com aqueles que caminhavam pela calçada (por decisão do condomínio, o térreo foi gradeado, alterando o desenho original).

Conforme o visitante se aproxima do hall de entrada, as texturas dos revestimentos começam a interagir. O piso de placas de granito claro, por exemplo, contrasta com o azul intenso do espelho d`água revestido com pastilhas de tom escuro. Chamam a atenção três pilares ovalados dentro da água: muito próximos um do outro e com frisos horizontais, eles ajudam a estrutura o edifício, ao mesmo tempo que são os protagonistas da entrada. Eles são pintados em tom amarelado, quase dourado, utilizado também no caixilho do vidro que abriga a portaria. O ambiente de acesso ao prédio é pontuado ainda por pano de fundo rugoso, composto por uma parede revestida por pedrinhas brancas.

A segunda gama de revestimentos responde à escala urbana. De certa forma, as texturas e tons presentes no acesso foram amplificados para a fachada. Contrastando com o vidro espelhado que envolve grande parte dos escritórios, a face mais próxima da esquina é marcada por uma saliência revestida de granito claro. Além das janelas quadradas e retangulares, a protuberância de pedra é destacada por frisos irregulares. Duas faixas horizontais e onduladas, como se fossem uma abotoadura, marcam a lateral do prédio, se sobrepondo ao revestimento de pedra e vidro. A fachada ainda possui faixas verticais amareladas, balcões que formam uma retícula regular e uma saliência inclinada.

Por Fernando Serapião.  

Edifício Atlantis
Local São Paulo
Data de início do projeto 1992
Data de término da obra 1995
Área do terreno 825 m²
Área construída 5.302 m²
Arquitetura, interiors e Paisagismo Isay Weinfeld e Marcio Kogan (autores); Oswaldo Pessano (colaborador); Adriana Ferlauto (equipe)
Incorporação e Construção SKR